Centrais sindicais realizam mobilização em prol do Dia de Luta pela Soberania Nacional

O Sindicatos dos Urbanitários do Acre, Sindicato dos Bancários, CUT e Sindicato dos Trabalhadores dos Correios realizaram uma mobilização em prol do Dia de Luta pela Soberania Nacional, comemorado em todo o País. O ato ocorreu, na manhã da última terça-feira, 3, em frente a Eletrobras Distribuição Acre.

O Dia de Luta pela Soberania Nacional é uma iniciativa da Central Única dos Trabalhadores (CUT), junto com o Movimento de Atingidos por Barragem (MAB) e as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo. A data de hoje foi escolhida para as manifestações, segundo os organizadores, porque coincide com os 64 anos da lei que criou a Petrobras. Atos estão ocorrendo em diversas regiões do país em frente às empresas que estão no pacote de privatizações anunciados pelo Governo Temer, que inclui parte da Petrobras, Eletrobras, hidrelétricas, Casa da Moeda, BNDES e Correios.

O presidente do Sindicato dos Urbanitários do Acre, Fernando Barbosa, ressaltou a importância de a população ir às ruas para brigar pelos seus direitos. Segundo ele, o governo que aí está vem cada dia criando leis e alternativas para por fim direitos dos trabalhadores que foi conquistado com muito suor e luta.

“Estamos aqui para mostrar aos empresários e ao governo do Temer que vamos continuar lutando. Não vamos aceitar o projeto de privatizações da estatais, como por exemplo a Eletrobras”, ressaltou o presidente.
“A população tem que se conscientizar que se privatizar o setor elétrico, a conta de energia vai aumentar e as prestações dos serviços serão de péssima qualidade. Temos que lutar por nossos direitos”, disse.

O Governo Federal elaborou um projeto que coloca a venda a Eletrobras. Segundo a União, a empresa, que é patrimônio público, está gerando mais despesa do que receita e está inviável para mantê-la.
Para Marcelo Jucá, secretário-geral do Urbanitários, a situação mais alarmante é em relação aos projetos sociais. O programa Luz para Todos e Tarifa Social, segundo Jucá, corre o risco de acabar.

“O empresário não tem empresa para fazer social e sim fazer lucro. Essa é a ideia principal. Tem locais no estado onde a despesa é maior que a receita e será que aquele que comprar a Eletrobras vai está disposto a tirar dinheiro do seu bolso para fazer o social? Não vai. Temos que nos unir para evitar que isso aconteça”, salientou Jucá.

Privatizar não é sinônimo de melhorar, diz sindicalista

O ditado que diz: pior do que está não pode ficar, na visão do diretor dos Urbanitários, Mauro Bezerra, a situação vai ficar ainda pior. O sindicalista alerta que o Governo Federal tem usado seu poder para garantir direito a elite e não aos trabalhadores.

“Estamos vivendo um momento conturbando politicamente. O governo Temer tem feito artimanhas para aprovar aquilo que é de interesse de poucos. A população brasileira ficar a mercê e terá seus direitos, conquistados com muita luta, suprimido”, disse.

About the author

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *